sábado, 5 de setembro de 2009

CONFRONTO ENTRE TEORIA E PRÁTICA – Estágio Educação Infantil

“...... A minha contribuição foi encontrar uma explicação segundo a qual, por trás da mão que pega o lápis, dos olham que olham, dos ouvidos que escutam, há uma criança que pensa” ( EMÍLIA FERREIRO)


Mas, chegou à hora de confrontar teoria e prática no estágio do VII semestre em Educação Infantil. Estagiei na em uma creche com crianças de três anos, onde me reportei a Emilia Ferreiro com seus estudos sobre a psicogênese da língua escrita. Percebi a importância de o professor conhecer as fases de desenvolvimento da lecto-escrita para fazer as intervenções. Pude compreender o papel da ludicidade no processo ensino-aprendizagem. A rotina também como algo fundamental para as crianças, não a rotina em regras, mas em uma forma de organização.
O professor de séries iniciais deve enxergar a criança como ser com necessidades e interesses. As interações e aprendizagens que pude vivenciar significaram contribuíram muito para minha formação. Aprendi que as brincadeiras e os jogos direcionados para aprendizagem são de extrema importância para o desenvolvimento infantil, auxiliam no desenvolvimento da linguagem, coordenação motora e memória. Sabemos que nem sempre foi permitida a criança o direito de brincar, a infância foi ignorada, ou seja, a criança era vista como um adulto em miniatura. E consequentemente a visão de infância igualava-se a algo sem importância.
Brincar significa agir de forma criativa num determinado espaço ou objeto. Nesse agir a criança aprende, estabelece relações com o concreto, cria vínculos afetivos, o ato de brincar está intrínseco na vida de toda criança. Diferente do “brincar” o jogo possue regras, pode-se afirmar que o jogo é uma brincadeira com regras e a brincadeira é um jogo sem regras. Piaget afirma que “Os jogos são admiráveis instituições sociais” porque, ao promoverem a comunicação interpessoal criam um relacionamento grupal. Nossos alunos através das conversas na rodinha eles expressavam seu mundo interior, na hora do banho quando comparavam a cor da toalha com a saia tal qual Iracema fazia na massa de modelar com cheiro de chiclete, na representação do numero cinco com a mãozinha.
Outro teórico que contribuiu de maneira significativa para minha formação é Jean Piaget (1896-1980), com a teoria da Psicogenética. Para ele a criança aprende por descobertas, ou seja, aprendizado é construído pelo aluno, o professor é apenas o mediador entre a criança e o objeto. Educar para ele é estimular o aluno, não pensar no que a criança é, mas sim no que pode tornar-se. Ele me ajudou a refletir e a entender o universo infantil, aprender que a criança possui fases de desenvolvimento cognitivo significa respeitar o ser humano em tempo, espaço e situações. Bem como fazer do trabalho pedagógico um ato reflexivo, com objetivos.


Um comentário:

  1. Amei as reflexões sobre Educação Infantil.Vc trouxe excelentes reflexões sobre os jogos e brincadeiras, não esquecendo da importância das intervenções.
    Beijos,
    Socorro

    ResponderExcluir